CASA REDUX

Casas-pavilhão habitam o imaginário da arquitetura: habitações térreas, flutuando sobre o terreno, definidas a partir de elementos arquitetônicos únicos circundados por vazios dos jardins. A Farnsworth (1951) desenhada por Mies Van der Rohe é uma espécie de paradigma moderno disso. O studio mk27 retoma a imagem da casa-pavilhão para a Redux em um projeto moldado a partir de lajes planas e de uma estudada composição formal de cheios e vazios.
Assim, duas fitas horizontais marcam a fachada: a laje de concreto inferior eleva a casa em 50 cm do solo para edificar um tablado para as atividades domésticas (analogias da casa como palco da vida cotidiana parecem sugestivas); a laje superior de 37cm de espessura define a área de sombra. Entre elas, acontece o jogo de caixas de vidro e madeira que ora se projetam para fora dos limites das fitas, ora estão recuadas.
Quatro blocos programáticos dividem as áreas. O primeiro contém quatro dormitórios e sauna, o segundo somente a suíte principal. No terceiro bloco está contida a área de serviço (cozinha, lavanderia, sala, banheiro e quartos dos empregados). No último bloco, fica a garagem e a área técnica.Com o objetivo de maximizar a vista, a casa foi implantada na porção mais alta do terreno em declive e áreas sociais e privadas então olham para o poente, assim como o deck e a piscina, que se lançam em direção a encosta, até se destacarem em balanço do solo.
Gabriel Kogan

CASA REDUX

local > bragança paulista . sp . brasil
projeto > setembro . 2009
conclusão > janeiro . 2013
terreno > 6633 m2
área construída > 679 m2
-
arquitetura e interiores> studio mk27
autor > marcio kogan
co-autora > samanta cafardo
interiores > diana radomysler
equipe de arquitetura > beatriz meyer . oswaldo pessano . suzana glogowski . henrique bustamante
equipe de interiores > mariana ruzante
equipe de comunicação > carlos costa . laura guedes . mariana simas
-
paisagismo > rodrigo oliveira
engenharia estrutural > benedicts engenharia – eng. eduardo duprat
construtora > mfc engenharia
-
fotógrafo > fernando guerra

Casas-pavilhão habitam o imaginário da arquitetura: habitações térreas, flutuando sobre o terreno, definidas a partir de elementos arquitetônicos únicos circundados por vazios dos jardins. A Farnsworth (1951) desenhada por Mies Van der Rohe é uma espécie de paradigma moderno disso. O studio mk27 retoma a imagem da casa-pavilhão para a Redux em um projeto moldado a partir de lajes planas e de uma estudada composição formal de cheios e vazios.
Assim, duas fitas horizontais marcam a fachada: a laje de concreto inferior eleva a casa em 50 cm do solo para edificar um tablado para as atividades domésticas (analogias da casa como palco da vida cotidiana parecem sugestivas); a laje superior de 37cm de espessura define a área de sombra. Entre elas, acontece o jogo de caixas de vidro e madeira que ora se projetam para fora dos limites das fitas, ora estão recuadas.
Quatro blocos programáticos dividem as áreas. O primeiro contém quatro dormitórios e sauna, o segundo somente a suíte principal. No terceiro bloco está contida a área de serviço (cozinha, lavanderia, sala, banheiro e quartos dos empregados). No último bloco, fica a garagem e a área técnica.Com o objetivo de maximizar a vista, a casa foi implantada na porção mais alta do terreno em declive e áreas sociais e privadas então olham para o poente, assim como o deck e a piscina, que se lançam em direção a encosta, até se destacarem em balanço do solo.
Gabriel Kogan