RETROFIT FM10

O studio mk27 foi o vencedor do concurso fechado para transformar o interior do edifício comercial já existente em um edifício residencial de alto padrão. Localizado em um dos principais centros financeiros de Barcelona, ao lado da Praça Francesc Maciá, na Avenida Diagonal, o edifício foi originalmente projetado pelo arquiteto suíço Marc-Joseph Saugey na década de 1960. Sua planta é elíptica e seus 11 andares envidraçados envoltos em uma “grade” que se assemelha a sobrancelhas em cada janela. O edifício é um ponto marcante na cidade. Contrariando a implantação padrão de edifícios ao redor de rotatórias com curvatura paralela, o Francesc Macià 10, ou FM10, projeta-se de forma convexa para a cidade. É um edifício valente.
Foram projetadas pelo studio todas as áreas comuns do edifício assim como um dos 8 apartamentos existentes. O latão e a madeira foram os principais materiais empregados para configurar as intervenções arquitetônicas no edifício. Paredes forradas com mármore Carrara, Negro Marquina e Statuario são uma discreta homenagem ao pavilhão Barcelona de Mies van der Rohe.
No térreo, a elegante marquise original de concreto dialoga com os painéis ripados de latão que configuram a entrada do edifício residencial e, ao mesmo tempo, determinam as áreas envidraçadas das vitrines das lojas. Na recepção do edifício, revestida em folhas de nougat, o morador ou visitante é recebido pelo concierge atrás do balcão iluminado por uma grande luminária-escultura especialmente desenhada por Michael Anastassiades. No primeiro andar estão a piscina aquecida, revestida de inox, a sauna, a academia de ginástica e os vestiários. Da piscina, recostando-se em uma das espreguiçadeiras de Charlotte Perriand, pode-se contemplar, através de um grande plano envidraçado, uma pequena praça de pedestres ao fundo do terreno.
Dois elevadores, duas escadas de incêndio, hall, lavabo e chapelaria estão abrigados no novo core, também em formato elíptico, no centro do edifício. O core divide a grande laje em dois principais usos: social e privado, com uma circulação continua ao redor. Sua volumetria, no interior dos apartamentos, é marcada pelo envelopamento de quase todo seu perímetro por painéis ripados de madeira.
As salas, voltadas para a fachada frontal do edifício, são emolduradas pela grande fachada curva de 55m envidraçada de piso à teto. A cidade é o pano de fundo para o apartamento, cria-se uma radical continuidade entre o exterior e o interior. Na outra fachada, organizados ao longo de um corredor ao redor do core central, estão os quartos e a cozinha.
O projeto de decoração teve como premissa levar para o interior do prédio o mesmo estilo clássico e contemporâneo do seu projeto original. Ícones do design mundial como Gio Ponti, Serge Mouille, Warren Platner são mesclados com ícones do design brasileiro como Lina Bo Bardi, Jader Almeida e Sergio Rodrigues. O desenho de mobiliário foi pensado como parte fundamental da arquitetura. A grande estante da sala, por exemplo, projetada em latão com prateleiras de encaixe, teve que contar com projeto específico para se acomodar na parede curva oposta à fachada envidraçada. Os buffets e aparadores do apartamento também foram projetados de forma a levar para a escala do objeto os materiais escolhidos para o projeto.
Studio MK27

RETROFIT FM10

local > barcelona . espanha
projeto > agosto . 2012
conclusão > janeiro . 2017
área construída > 18.000 m2
-
autor > marcio kogan
co-autores > beatriz meyer . diana radomysler . suzana glogowski . pedro ribeiro
arquitetos locais > ricard mercadé aurora fernandez arquitectes
equipe de arquitetura > eduardo gurian . regiane leão . raquel reznicek
equipe do comunicação > carlos costa . laura guedes . mariana simas
-
paisagismo > ae land 1988 s.l.
engenharia estrutural > manuel arguijo y asociados s.l.
construtora > aldesa construcciones s.a.
fotógrafo > jonas bjerre-poulsen

O studio mk27 foi o vencedor do concurso fechado para transformar o interior do edifício comercial já existente em um edifício residencial de alto padrão. Localizado em um dos principais centros financeiros de Barcelona, ao lado da Praça Francesc Maciá, na Avenida Diagonal, o edifício foi originalmente projetado pelo arquiteto suíço Marc-Joseph Saugey na década de 1960. Sua planta é elíptica e seus 11 andares envidraçados envoltos em uma “grade” que se assemelha a sobrancelhas em cada janela. O edifício é um ponto marcante na cidade. Contrariando a implantação padrão de edifícios ao redor de rotatórias com curvatura paralela, o Francesc Macià 10, ou FM10, projeta-se de forma convexa para a cidade. É um edifício valente.
Foram projetadas pelo studio todas as áreas comuns do edifício assim como um dos 8 apartamentos existentes. O latão e a madeira foram os principais materiais empregados para configurar as intervenções arquitetônicas no edifício. Paredes forradas com mármore Carrara, Negro Marquina e Statuario são uma discreta homenagem ao pavilhão Barcelona de Mies van der Rohe.
No térreo, a elegante marquise original de concreto dialoga com os painéis ripados de latão que configuram a entrada do edifício residencial e, ao mesmo tempo, determinam as áreas envidraçadas das vitrines das lojas. Na recepção do edifício, revestida em folhas de nougat, o morador ou visitante é recebido pelo concierge atrás do balcão iluminado por uma grande luminária-escultura especialmente desenhada por Michael Anastassiades. No primeiro andar estão a piscina aquecida, revestida de inox, a sauna, a academia de ginástica e os vestiários. Da piscina, recostando-se em uma das espreguiçadeiras de Charlotte Perriand, pode-se contemplar, através de um grande plano envidraçado, uma pequena praça de pedestres ao fundo do terreno.
Dois elevadores, duas escadas de incêndio, hall, lavabo e chapelaria estão abrigados no novo core, também em formato elíptico, no centro do edifício. O core divide a grande laje em dois principais usos: social e privado, com uma circulação continua ao redor. Sua volumetria, no interior dos apartamentos, é marcada pelo envelopamento de quase todo seu perímetro por painéis ripados de madeira.
As salas, voltadas para a fachada frontal do edifício, são emolduradas pela grande fachada curva de 55m envidraçada de piso à teto. A cidade é o pano de fundo para o apartamento, cria-se uma radical continuidade entre o exterior e o interior. Na outra fachada, organizados ao longo de um corredor ao redor do core central, estão os quartos e a cozinha.
O projeto de decoração teve como premissa levar para o interior do prédio o mesmo estilo clássico e contemporâneo do seu projeto original. Ícones do design mundial como Gio Ponti, Serge Mouille, Warren Platner são mesclados com ícones do design brasileiro como Lina Bo Bardi, Jader Almeida e Sergio Rodrigues. O desenho de mobiliário foi pensado como parte fundamental da arquitetura. A grande estante da sala, por exemplo, projetada em latão com prateleiras de encaixe, teve que contar com projeto específico para se acomodar na parede curva oposta à fachada envidraçada. Os buffets e aparadores do apartamento também foram projetados de forma a levar para a escala do objeto os materiais escolhidos para o projeto.
Studio MK27