CASA TETRIS

A Casa Tetris marca uma rara incursão do mk27 em pés-direitos altos. O partido se desenvolve a partir do jogo interno de vazios verticais e horizontais entre volumes, dentro de um paralelepípedo envoltório.

Internamente, um volume de madeira alinhado à fachada oeste – com 2,85m de altura e 19m de comprimento – repousa dentro do amplo espaço de pé direito de 5,15m e 11,75m de largura. Na cobertura dessa caixa, fica o escritório aberto para uma vista interna da casa – de dentro para dentro. No térreo, o espaço permeável coberto entre a entrada e o fundo do lote configura o vazio da sala, ainda delimitada – junto à fachada leste – por uma prateleira de madeira.

O formato do terreno, comprido e estreito, esboçou uma implantação longitudinal da casa e a sala pôde ter, assim, uma ventilação cruzada abrindo-se para o jardim frontal e dos fundos.

O forro de madeira ripada da sala cria uma sensação de intimidade no mezanino e contrasta com a sensação espacial de maior monumentalidade do térreo. Os quatro dormitórios, incluindo uma suíte principal voltada para os jardins dos fundos, ficam no andar superior.

Gabriel Kogan

CASA TETRIS

local > são paulo . sp . brasil
projeto > março . 2008
conclusão > setembro . 2012
terreno > 817 m2
area contruída > 620 m2
-
arquitetura e interiores> studio mk27
autor > marcio kogan
co-autora > carolina castroviejo
interiores > diana radomysler
equipe de arquitetura > fernando falcon . maria cristina motta
equipe de interiores > mariana ruzante
equipe de comunicação > carlos costa . laura guedes . mariana simas
-
paisagismo > renata tilli
engenharia estrutural > pinto rodrigues engenharia estrutural
construtora > all'e engenharia
-
fotógrafo > fernando guerra

A Casa Tetris marca uma rara incursão do mk27 em pés-direitos altos. O partido se desenvolve a partir do jogo interno de vazios verticais e horizontais entre volumes, dentro de um paralelepípedo envoltório.

Internamente, um volume de madeira alinhado à fachada oeste – com 2,85m de altura e 19m de comprimento – repousa dentro do amplo espaço de pé direito de 5,15m e 11,75m de largura. Na cobertura dessa caixa, fica o escritório aberto para uma vista interna da casa – de dentro para dentro. No térreo, o espaço permeável coberto entre a entrada e o fundo do lote configura o vazio da sala, ainda delimitada – junto à fachada leste – por uma prateleira de madeira.

O formato do terreno, comprido e estreito, esboçou uma implantação longitudinal da casa e a sala pôde ter, assim, uma ventilação cruzada abrindo-se para o jardim frontal e dos fundos.

O forro de madeira ripada da sala cria uma sensação de intimidade no mezanino e contrasta com a sensação espacial de maior monumentalidade do térreo. Os quatro dormitórios, incluindo uma suíte principal voltada para os jardins dos fundos, ficam no andar superior.

Gabriel Kogan